Festa Junina

                   

Junho é um mês de ritmo Animado, colorido  As comidas, roupas e tradições da Festa Junina tem lugar especial na memória de qualquer um que já pintou o dente da frente de preto para dançar quadrilha. A maior Festa Junina do Brasil ocorre na cidade paraibana de Campina Grande, reunindo milhares de pessoas todos os anos.  As festas prestam homenagens aos Santos Católicos (São Pedro, Santo Antônio e São João).





 1. Comer, beber, repetir

Canjica, canjiquinha, pamonha, milho cozido, bolo de milho, curau, broa de fubá , pipoca e cuscuz. As comidas típicas são derivadas do milho porque junho é época da colheita.  Se você ainda não salivou, lembre-se do arroz doce, maçã do amor e pinhão acompanhados de vinho quente ou quentão, a mistura de gengibre e cachaça.







2. Bandeirinhas


 Dentre os enfeites das festas juninas, o mais comum são as bandeirolas. Esses apetrechos surgiram porque os três santos homenageados na festa tinham suas imagens pregadas em bandeiras coloridas e imersas em água, a famosa lavagem dos santos. Com isso, acredita-se que a água fica purificada, fazendo a purificação das pessoas que se molham com elas. Com o passar dos anos, essas bandeiras foram sendo substituídas pelas bandeirinhas menores, que trazem a mesma simbologia de purificar o ambiente da festa.


3. Quadrilha

No Brasil, a quadrilha foi originalmente chamada de "Quadrilha de Arraiais", e era parte das comemorações chamadas de festas juninas. Um animador vai pronunciando frases enquanto os demais participantes, geralmente em casais, se movimentam de acordo com as mesmas, no sentido Militar, colonial. 






4. Simpatias

São João dá o nome e São Pedro comparece, mas em matéria de simpatia, Santo Antônio é O Cara. A tradição conta que para arrumar casamento deve-se deixar o santo de cabeça pra baixo ou com a cabeça mergulhada numa bacia com água. Na madrugada de 12 de junho o santo casamenteiro se torna capaz de revelar o futuro: mulheres devem enterrar uma faca virgem (!) em uma bananeira (!!) para que essa revele, na manhã do dia 13, a primeira letra do nome do futuro noivo (!!!). Ainda há aquelas que colocam em uma bacia cheia de água diversos nomes masculinos e aguardem a manhã seguinte para que o papel aberto revele o nome do seu pretendente. Para garantir vida longa, o lance é guardar as brasas da fogueira recém apagadas. Por isso cuspir nas brasas (?) atrai má sorte, assim como arrumar a fogueira com os pés.


5. Origem



A festa junina mistura a celebração pagã de agradecimento das colheitas, santos do catolicismo, danças das antigas cortes européias e a música do interior brasileiro. No hemisfério norte é tradição antiga se reunir em torno de uma fogueira para dançar, agradecendo aos deuses pelo calor e pelas colheitas. O cristianismo veio com os portugueses no período colonial e trouxe os santos católicos. O costume se arraigou no interior do país.







0 comentários: